sexta-feira, 12 de maio de 2017

Cinco mortes confirmadas por chikungunya no Ceará; 40 outros casos são investigados

A Secretaria de Saúde do Estado (Sesa) investiga se 40 mortes no Ceará foram causadas por chikungunya, neste ano. Cinco mortes provocadas pela doença transmitida pelo Aedes aegypti, em quatro municípios, já foram confirmadas desde janeiro. Até o dia 13 de maio, foram 13.312 casos de chikungunya confirmados no Estado. Os dados constam no boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde do Estado (Sesa), divulgado nesta sexta-feira, 12.

As cinco mortes por chikungunya foram registradas em Beberibe, Caucaia, Pacajus, e Fortaleza. Na capital ocorreram dois casos. Ao todo, 41.723 casos de chikungunya foram notificados no Estado por meio do monitoramento até 13 de maio. O número alto ainda pode apresentar subnotificação.

A confirmação das mortes pela arbovirose passa pela investigação de critérios clínicos (sintomas da doença), epidemiológico (se o desenvolvimento da doença combina com o padrão já conhecido pelos profissionais da saúde) e laboratorial (sorologia ou análise patológica pós-morte). De acordo com pacientes, o resultado do exame laboratorial na rede pública demora 50 dias para ser concluído.

Sobre isso, a Sesa explica que o exame laboratorial não é o único critério para notificação. Em período de epidemia, o epidemiológico também é utilizado para registro. As notificações são feitas pelos municípios e monitoradas pela Secretaria de saúde. (Do O Povo Online)

Nenhum comentário :

Postar um comentário

O blog Quixeramobim Agora é uma ferramenta de informação que tem como características primordiais a imparcialidade e o respeito a liberdade de expressão.

Contudo, em virtude da grande quantidade de comentários anônimos postados por pessoas que se utilizam do anonimato muitas vezes para ferir a honra e a dignidade de outras, a opção "Anônimo" foi desativada.

Agradecemos a compreensão de todos, disponibilizando desde já um endereço de email para quem tiver interesse em enviar sugestões de matérias, críticas ou elogios: jornalismo@sistemamaior.com.br.

Cordialmente,
Departamento de jornalismo